No Maranhão, mais de 50% de professores que atuam na educação infantil e mais de 30% que atuam nos anos iniciais do ensino fundamental não possuem formação superior. Mas essa realidades está mudando. Por meio do Plano de Ações Articuladas de Formação de Professores para Educação Basíca- PARFOR/Profbepar, administrado por cursos de licenciatura da UFMA, pelo menos 3200 alunos, que são professores nos muitos municípios onde o programa expandiu e atua, estão concluindo sua graduação. Desse quantitativo, cerca de 650 alunos são coordenados pelo curso de Pedagogia do Campus de Imperatriz, totalizando 15 turmas, distribuídos nos pólos de Grajaú, Bom Jesus das Selvas, Lago da Pedra, Sítio Novo, Buriticupu, Estreito e Imperatriz. profeebs

O resultado dessa experiência, que integra o Plano Nacional de Formação dos Professores da Educação Básica, agora está reunida num livro, que será lançado neste sábado, no campus do Bom Jesus, da Universidade Federal do Maranhão.

A obra, que recebeu o título “Identidade, Experiência e Reflexão: formação de professores no contexto do Parfor”, é uma organização da professora Késsia Moura, professora do curso de Pedagogia da UFMA de Imperatriz e coordenadora do curso de pedagogia do PARFOR em Imperatriz; e dos jornalistas Thaísa Bueno e Lucas Reino, docentes do curso de Comunicação Social da universidade.

O livro é resultado das experiências vividas e pesquisas realizadas nesse processo formativo que mudou a realidade dos alunos/professores dos municípios que o programa atende e dos mais de 100 professores formadores. Com a publicação, pretende-se registrar na história e compartilhar com a sociedade o conhecimento gerado por um programa tão relevante para o Maranhão.

O livro apresenta resultados de inquietações científicas que professores e alunos do curso demonstravam. Tem uma singularidade para nós da coordenação do curso do Parfor, pois traz em seus artigos pesquisas de professores, durante esse processo formativo. Nesta obra, desvelamos e socializamos os conhecimentos produzidos pelos sujeitos envolvidos nesse curso, sendo este seu diferencial. Comenta a coordenadora do Curso Késsia Moura.

A obra é dividida em três eixos: Identidade, com artigos que retratam o perfil dos alunos que atuam como professores nas escolas do interior do Estado, seus sonhos, sua relação com a tecnologia e seu processo de formação, os saberes e desafios que os professores formadores encontram; Experiência, com textos que contam um pouco de como se deu a relação professor/aluno nessa formação, seus significantes e significados ao longo desse processo formativo; e Reflexão, com textos que propõe uma discussão teórica a partir das práticas vividas. Ao todo são 18 artigos assinados por professores e alunos do projeto.

O livro vem em duas versões: impressa e e-book e tem a chancela da Capes, do Parfor, e da editora da UFMA. “A ideia de termos duas versões é mesmo disseminar esse conhecimento, uma vez que esse é o primeiro livro sobre a realidade dos professores no interior do Maranhão a ser publicado no Estado e isso serve de entendimento, inclusive, para se pensar políticas públicas e ações que queiram dialogar diretamente com essa realidade”, comenta a professora Thaísa Bueno.

O programa

O Profebpar é um programa administrado pela UFMA em dois núcleos, São Luís e Imperatriz, e faz parte de um projeto maior do Governo Federal chamado Parfor (Plano Nacional de Formação dos Professores da Educação Básica). Para esclarecer melhor, o Parfor foi implantado pela Capes (Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) ligada ao MEC (Ministério da Educação) com a “finalidade de contribuir para que os professores em exercício na rede púbica de educação básica tenham acesso à formação superior exigida na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional” (CAPES, 2015).

Iniciado nacionalmente em 2009, o programa começou a funcionar em Imperatriz em 2012. Os primeiros alunos formados, uma turma de Grajaú, concluíram os trabalhos em janeiro de 2015. A licenciatura de Pedagogia é distribuída em nove períodos e 3.225 horas. Essa foi uma área detectada como carente de formação.

Nacionalmente é possível vislumbrar a importância do Parfor. Nos últimos dados apresentados pela Capes em relatório sobre a atuação do programa entre os anos de 2009 e 2013 foram registradas 311 instituições de ensino superior parceiras, alcançando 1.032 diferentes grupos de docentes de graduação e pós-graduação envolvidos com formação de professores da educação básica.  Segundo a Capes, em 2009 o número de matriculados era de 4.273 professores, distribuídos em 140 turmas. O Programa encerrou o ano de 2013 com 70.220 professores matriculados, em 2.145 turmas especiais ofertadas por 96 IES.

Outro número que pode trazer um panorama melhor sobre o que ele representa hoje para a educação superior é o percentual de formação dos professores das escolas estaduais e municipais. Em 2013 foram solicitadas 361.020 vagas. Desse total 78,92% é demanda da rede municipal e 21,08% da estadual, sendo a maioria para a primeira licenciatura, 71,07%, o restante 26,31% para segunda licenciatura e 2,62% em Formação Pedagógica.

 

Obra pode ser acessada no link: https://repositorio.ufma.br/jspui/bitstream/123456789/475/1/Identidade_experiencia_e_reflexao.pdf

Ou pode ser adquirida na versão em papel enviando um email para thaisabu@gmail.com

 

Breve currículos dos organizadores da obra:

  • Késsia Moura: Mestre em Educação pela Universidade Federal da Paraíba (2006). É pedagoga e professora assistente no Centro de Ciências Sociais, Saúde e Tecnologia da Universidade Federal do Maranhão, campus de Imperatriz. É coordenadora do Curso de Pedagogia do Parfor/ campus de Imperatriz.

 

  • Lucas Reino: Doutor em Comunicação Social pela PUC do Rio Grande do Sul (2015), tem mestrado em Ciência da Informação pela UNB. É professor ajunto no Comunicação Social – Jornalismo, na Universidade Federal do Maranhão e também no curso de Pedagogia do Parfor, ambos em Imperatriz.

 

  • Thaísa Bueno: Doutora em Comunicação Social pela PUC do Rio Grande do Sul (2015), tem mestrado Letras pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul. É professora ajunto no Comunicação Social – Jornalismo, na Universidade Federal do Maranhão, e também no curso de Pedagogia do Parfor, ambos em Imperatriz.